Mulheres na Geladeira: como o termo se aplica em Cidade Invisível

O conceito Mulheres na Geladeira foi criado pela escritora Gail Simone após ela notar um padrão nas histórias em quadrinhos de super-heróis em que consiste na morte de personagens femininas para motivar os personagens masculinos a terem um objetivo dentro da narrativa. Logo, o homem acaba tornando aquela tragédia sobre si mesmo. O termo foi inspirado no quadrinho #54 do Lanterna Verde. Na história, ele volta para casa um belo dia e encontra a namorada morta e enfiada dentro da geladeira.

Em Cidade Invisível, série brasileira original da Netflix, é toda baseada no conceito da Mulher na Geladeira. No primeiro episódio, uma tragédia tira a vida de Gabriela (Julia Konrad), uma antropóloga e ambientalista que trabalha em uma comunidade ribeirinha em uma cidade vizinha do Rio de Janeiro. A misteriosa morte da personagem motiva o marido dela, o detetive Eric (Marco Pigossi), a investigar as causas e também quem a matou.

Ao longo dos sete episódios, as buscas por respostas se intercalam com a cultura do folclore brasileiro, que eram do interesse de Gabriela. Eric mergulha no universo dela, mas, enquanto a esposa era viva, ele não demonstrava interesse nestes assuntos e ainda duvidava deles. Cidade Invisível é sobre alguém que não está viva dentro da história. A série constantemente mostra flashbacks da falecida em momentos de felicidade, de saudade e, obviamente, em momentos chaves para a investigação.

• Curta o post sobre Cidade Invisível no perfil @cinelooou

É claro que não poderia faltar cenas de Eric desabafando como não sabe viver ou fazer tarefas banais, como cuidar da filha pequena, sem a presença de Gabriela. E quem aparece para ajudar nas tarefas domésticas? Sim, outra mulher: a avó dele. Além de envolver outras pessoas na investigação, que virou motivo pessoal para Eric, o protagonista descobre que suas origens estão relacionadas com a cultura folclórica e ainda se torna o herói ao salvar a comunidade ribeirinha que sua esposa tanto defendia no passado.

Cidade Invisível abraça fortemente o conceito da Mulher na Geladeira ao usar a morte da esposa do protagonista para mover a história e dar a ele uma motivação pessoal. No final, Eric soluciona o caso, mas usa esta investigação um modo de se tornar o herói da trama, já que percebe que tem muita coisa em comum com o universo que sua esposa gostava e trabalhava. Com uma 2ª temporada confirmada, espera-se que a série possa evoluir e corrigir erros como a falta de representatividade indígena, o mal uso da cultura do folclore e, quem sabe, não girar tudo em torno de um homem hétero branco.

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s