Chorão – Marginal Alado: o legado e o fardo de um ídolo do rock brasileiro

Dirigido por Felipe Novaes, Chorão: Marginal Alado é um documentário que realmente precisava ser feito sobre uma das figuras mais emblemáticas e importantes do rock brasileiro dos anos 1990 e 2000. Chorão, de fato, teve uma vida intensa e sentiu a necessidade de fazer tudo para ontem. Sua mente criativa, sua ansiedade pela perfeição, sua sensibilidade aflorada e, também, a sua agressividade que vinha de lugar desconhecido, são pautas de todas as entrevistas do filme. Inclusive, o documentário traz uma conversa histórica com o baixista do Charlie Brown Jr, Champignon, dias antes da sua morte, no mesmo ano de partida do vocalista. 

Chorão: Marginal Alado é rico em arquivos e depoimentos, e gosto como ele sabe “conversar” em um tempo conciso. No entanto, a falta de profundidade sobre o passado do cantor antes da fama deixa um vácuo que seria interessante preencher já que, por se tratar de um artista, entender da onde surgiu o gosto pela música, suas referências, assim como as dificuldades que o mesmo relatava em suas músicas, seria complementar para nossa interpretação sobre a pessoa que ele viria a se transformar. Mesmo que brevemente, os relatos desta época são superficiais e fica por isso. 

O documentário se deleita sobre o período de grande sucesso de Chorão, que é exatamente aquele clichê de ascensão e queda de um rockstar. A partir daí, os espectadores podem ter compreensão sobre os problemas que causaram tanto o desmanche da formação original do Charlie Brown Jr quanto como o sonho do vocalista se tornou um fardo na sua vida. Mas, de novo, percebe-se também como há um “esquivo” de todo mundo quando se fala sobre o temperamento explosivo do cantor e como isso contrasta com seu lado mais amoroso, especialmente com a sua família.

Claro, ninguém quer manchar a reputação de alguém que já morreu, só que esta decisão também deixa pontas soltas no documentário. Mas reconheço que há passagens polêmicas que o diretor não deixou de compartilhar como o esporro que o Chorão dá no Champignon no meio de um show, que está disponível online, e um breve estresse com um produtor durante um evento. E ah, a relação dele com as drogas também é discutida, já que foi o estopim para a sua morte.

 •  Curta o post de Chorão: Marginal Alado no @cinelooou

Chorão: Marginal Alado é pura nostalgia e sentimento. Como todo documento biográfico, o filme é perfeito para o fã saudoso. Nele, é possível perceber como Chorão era um homem complexo, contraditório e frágil com tudo que levava o seu nome. Por isso, ele sempre foi atencioso com os seus seguidores, se importava em prover o trabalho para seus funcionários, se preocupava com a essência e a técnica da banda, enfim, um conjunto de responsabilidades que, em algum ponto, deixou de ser um prazer para Alexandre Magno Abrão.

Um comentário

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s