Gaga: Five Foot Two ★★★

O lançamento de Gaga: Five Foot Two não poderia ser mais propício do que neste momento em que a Lady Gaga se trata da fibromiagla, uma síndrome que provoca dor em todo o seu corpo. Tal dor que lhe causou o adiamento de vários shows da sua nova turnê Joanne, inclusive o tão esperado retorno ao Brasil com um show no Rock In Rio. O documentário, produzido por ela e pela Netflix, permite que o público entenda profundamente o que acontece além das fantasias e alta-costuras que nos acostumamos a acompanhar e adorar. O que ela confessa que gosta, claro, afinal quem não gostaria de ser amada por estas extravagâncias em uma época que a música pop estava saturada de jovens sexys e iguais? Ou melhor, ser quem revolucionou o pop depois do  excelente disco The Fame, que cegamente é um dos melhores e um dos meus favoritos de todos os tempos. E que sim, deu um novo gás para os amantes do “bate-cabelo”, moda e esquisitices. Graças à Gaga, muita coisa mudou. Especialmente a autoestima de muitos jovens devido as suas músicas exaltando a autoaceitação e que tudo bem ser diferente, pois you were born this way, baby. Five Foot Two pode ser uma estratégia de marketing, mas também é uma oportunidade  de ouvir  sobre o que ocorreu à Lady Gaga nos últimos anos quando pulou do topo do mundo até ao temido flop total. Mas diferentemente da maioria dos documentários, o filme dirigido por Chris Moukarbel não quer mostrar ao público quem é Stefani Joanne Angelina Germanotta, da onde veio e todas as suas inspirações, mas quem ela se tornou após a fama e o quanto isto lhe custou emocional e fisicamente, como dá para perceber.

A equipe acompanhou Gaga durante 8 meses. Época em que produzia o disco Joanne, filmava a 6ª temporada da série American Horror Story: The Hotel e alimentava a ideia de realizar o show do intervalo da final da National Football League (NFL), um dos ápices da carreira de todo músico. O filme a capta nestes bastidores profissionais que a consome 90% do dia e os 10% restantes são o que ela tanto lamenta em um dos seus desabafos quando diz que vai do caos de pessoas falando e a tocando o dia inteiro para à noite silenciosa e solitária. Aqui retratadas de formas bem dramáticas. Sua vida pessoal é apresentada de forma bem limitada e cuidadosa. O filme inicia com ela reclamando do seu ex-noivo, o ator Taylor Kinney, uma forma de tentar algo íntimo com o espectador, já que relacionamentos em gerais são as melhores formas de iniciar uma conversa com alguém, né non? Assim quando nos leva para conhecer sua avó e igualmente a história por trás do nome Joanne, uma tocante homenagem à uma tia que faleceu aos 19 anos.

Em pequenos detalhes vamos juntando os pequenos cacos que se tornou a vida da cantora nos últimos anos e isto foi um dos fatores que a me fizeram gostar ainda mais dela. Apesar de muito encenada alguns momentos, há uma sinceridade nas palavras de Gaga que fala abertamente do quanto há o lado bom e ruim da fama. Pode até parecer piegas, mas é compreensível o seu lado humano, e principalmente como mulher, em querer equilibrar o melhor dos dois mundos, como cantaria Hannah Montana (sorry). Preste atenção na chateação que Gaga tem com Madonna, pois a rainha do pop e maior exemplo para qualquer cantora do gênero, nunca a confrontou pessoalmente e apenas a cutucou e intimidou através da mídia. O que nos leva para, em seguida, assistir a gravação de Hey Girl com Florence Welch, que fala precisamente sobre sororidade e é o que Gaga gosta de espalhar por aí. Por que vamos ser sinceros, você nunca a viu atacando alguém por aí, não é? E o bom de ter esta edição na vida pessoal é mostrar o quanto cantar e botar para fora os seus sentimentos a ajudaram no processo de reconstrução na sua música. Não é à toa que Joanne se distancia da antiga Gaga se revelando um som mais limpo e autoral, mas sem deixar de lado as características que a transformaram na Mother Monster. Ao assumir suas inseguranças, Lady Gaga descasca mais uma pele em Five Foot Two para, aos poucos, superar as fraquezas e continuar acolhendo little monsters com sua música.

Gaga: Five Foot Two (2017) | Direção: Chris Moukarbel | Elenco: Lady Gaga, Bobby Campbell, Mark Ronson, Joe Germanotta, Donatella Versace e Florence Welch | Gênero: Documentário | Nacionalidade: Estados Unidos | Duração: 1h40min |

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s