O presente de Meryl

meryl

Não há papel no cinema que ela não seja capaz de interpretar e ser reverenciada por isto. Meryl Streep completa 67 anos nesta quarta-feira e é uma das atrizes de Hollywood mais importantes dos últimos tempos. Sabe o por quê? Em 39 anos de carreira, seus papéis já passaram da mocinha inofensiva, a mãe que abandona o filho, a editora severa de uma revista de moda, roqueira falida que toca toda sexta num bar, a jornalista femme fatale, a atriz decadente em busca da fórmula da juventude, a mulher que não sabe quem é o pai de sua filha, a lésbica de meia-idade e até uma bruxa que se esconde no meio da floresta.

Meryl já deu vida a muitas personagens marcantes e como homenagem, selecionei quatro personagens para homenagear esta atriz que tem muito para nos ensinar em seus filmes 😉

Em Rick and the Flash, que esteve nos cinemas no ano passado, Meryl é Ricki, uma esposa que abandonou marido e filhos para ir atrás do seu sonho de se tornar uma grande cantora de rock. Porém, seus planos não foram tão bem sucedidos e seus filhos ainda guardam ressentimentos por esta decisão de anos atrás. Mas fica a pergunta: por quê é tão fácil e aceitável para um homem sair de casa para se dedicar a carreira, enquanto que para uma mãe, ela só deveria se dedicar a família? No filme, Ricki nos mostra que não se pode ter tudo, mas que nunca é tarde para encontrar um novo rumo para sua vida.

O Diabo Veste Prada seduz muito mais pela aparência do que pelo conteúdo. No filme, Meryl é Miranda Priestly, editora da revista de moda mais importante do universo. Ela exige a perfeição de todos, afinal de contas, ela também produz perfeição em seu trabalho. Porém, toda esta seriedade do seu trabalho, é retratado como a chefe “megera” por todos. Por que quando ela pede um café, é uma ordem, e se um homem quer um café, é apenas um pedido? No filme, Miranda nos dá o exemplo de que toda mulher pode ser tão competente no cargo de chefia quanto um homem.

Em As Sufragistas, Meryl é Emmeline Pankhurst, uma militante do feminismo na Inglaterra no início do século XX. Lá, ela aparece em poucos minutos, mas o suficiente para incitar o movimento nas demais mulheres que lutavam pelos seus direitos. No filme, Emmeline dá o ponto de partida para as jovens da época e que não deixa de ser uma motivação para luta constante (nosso) de todo dia.

A Música do Coração é um filme de 1995, onde Meryl é Roberta, uma professora que após ser abandonada pelo marido, resolve se dedicar a carreira e incentivar crianças através da música, ensinando-as violino. Após 10 anos de ensino, a escola decide por cancelar suas aulas. Apoiada por seus amigos e pela comunidade local, ela decide lutar para manter o curso em funcionamento. No filme, Roberta não apenas faz algo pelo próximo, mas como dá um grande significado para sua vida.

Poderíamos passar dias dissertando sobre seu trabalho de Meryl no cinema e sobre como seus personagens poderiam influenciar as nossas vidas. Mas tudo que podemos dizer é: Obrigada por tudo, Meryl! ♥

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s