Coração Vagabundo x Life Is But A Dream

Na onda de documentários musicais que assisti neste ano, resolvi fazer uma breve comparação aos dois últimos que apreciei: Life Is But A Dream (2013), da Beyoncé, e Coração Vagabundo (2009), de Caetano Veloso. Dois artistas distintos, mas igualmente talentosos. Minha opinião, certo? Ambos os filmes têm o mesmo propósito que é acompanhar a vida destas duas figuras e mostrar bastidores, ensaios, entrevistas, convívio com a família e uma música aqui e acolá. Nenhum dos documentários chega a ser biográfico, pois registra apenas um certo período da vida de cada cantor e cada um tem a chance de se manifestar sobre qualquer assunto que lhes convém.

Direção: Fernando Grostein Andrade | Roteiro: Giuliano Cedroni  | Gênero: Documentário | Nacionalidade: Brasil | Duração: 1h11min

Em Coração Vagabundo, acompanhamos Caetano Veloso nos Estados Unidos e no Japão, onde ele irá divulgar o seu primeiro álbum gravado inteiramente em inglês. Nestes dois países, o filme dirigido por Fernando Grostein Andrade, podemos viajar com Caetano e conhecê-lo em etapas. Em Nova York, conhecemos um Caetano músico e divertido, que fez história na música popular brasileira, conta um pouco a sua trajetória, quando foi vaiado, elogia o colega músico no ensaio e nos proporciona vários momentos musicais. Ainda na cidade nova iorquina, Caetano ainda nos confessa sobre como se sente antes, durante e depois de uma entrevista internacional. Ele ainda abre a porta da sua intimidade e até almoçamos com sua então esposa Paula Lavigne. Amigos do baiano também aparecem para dizer o quanto ele é maravilhoso. Destaque para Pedro Almodóvar e os arrepios que me deixou quando comentou sobre a participação de Caetano no filme Fale Com Ela. Licença que Michelangelo Antonioni também tem uma emocionante aparição quando revê um trecho do seu filme que Caetano é fascinado. A cena fica ainda mais bonita com uma música italiana do próprio música por cima.

Já quando parte para o Japão, Caetano mergulha mais no auto conhecimento e divide com o público muito sobre a suas opiniões. Como acredita que o mundo seria um lugar bem melhor sem religião, citando Imagine de John Lennon. (E não é que ele tem razão?). Falando sobre a sua família, que não acreditava que um dia teria filhos, o medo de envelhecer e como as pessoas se surpreendem ao conhecê-lo pessoalmente, pois achavam que ele seria misterioso e distante, mas que ficam fascinadas pela abertura que Caetano dá. Em 71 minutos, a impressão que tive é que Caetano me deixou tanto para aprender sobre ele, música e sobre a vida, e que me deixou tão a vontade que nem parecia um documentário sobre sua turnê internacional. Assim como este baiano, o documentário é simples, direto e manso. Já perceberam o jeito calmo e sereno que ele fala? É por isso que é um dos grandes cantores do Brasil e nos deixa felizinho com este documento.

Direção e Roteiro: Beyoncé Knowless, Ed Burke, Ilan Y. Benatar | Gênero: Documentário | Nacionalidade: Estados Unidos | Duração: 1h28min

Diferente do que acontece do último documentário de Beyoncé. Em Life Is A But A Dream, também “entramos” na intimidade da cantora que a cada ano vem sempre superando as próprias marcas. Se nos anos 80 e 90, Madonna criou o universo pop, Beyoncé veio para tomar conta nos anos 2000. O documentário seria a melhor chance para os fãs conhecerem, por exemplo, a Beyoncé bagunceira e loucona que nem vemos no videoclipe de 7/11. Mas o filme foge disso. O principal problema vem da direção que é da própria Beyoncé. Ela tem uma obsessão imensa em controlar a sua imagem que isto acaba prejudicando demais quando resolve se abrir diante das câmeras. Em sempre querer escolher o que vai passar ou não durante a projeção. Até própria entrevista que intercala com as imagens de arquivo é feita sob comando da cantora. Me desculpe, mas o rapaz que aparece durante a entrevista é apenas de fachada.

O filme resgata trechos da vida de Bey durante 2011 e 2012, quando estava produzindo o álbum 4 e consequentemente a nova turnê. Lá vemos ensaios, músicas sendo gravadas no estúdio, bastidores da sua exaustidão, exigências e seus depoimentos com vídeos caseiros que grava quando está sozinha. Segundo Bey, é um costumo seu falar sozinha para poder desabafar quando não tem ninguém por perto. Um ponto pra ela neste quesito, afinal, material é o que não faltaria, mas o que me incomoda é que estes vídeos são gravados perfeitamente e sempre posicionados em um ponto observador da sala. Diferente do que ser pego de surpresa ou ser abordada pelo seu diretor. O que soaria muito mais natural. Mas apenas para não pegar no pé  da cantora, um dos momentos mais interessantes é quando explica o por quê da ruptura com seu pai como empresário. Ali, são estes pontos que faltavam no documentário. Não que a sua vida íntima tivesse que ser o foco, mas faltou mais polêmicas. Após esta confissão, ela revela rapidamente sobre seu aborto espontâneo que aconteceu depois da sua mega transformação no Billboard Music Awards. Fora estes dois assuntos, tudo é uma maravilha.

Não que este documentário me faça gostar menos da artista que é Beyoncé. Até consigo admirá-la ainda mais, pois ter este pulso firme em cima da sua carreira, somente ela consegue fazer atualmente. Porém, Life Is But A Dream não seria um título certo para este filme. A sua vida é um sonho e graças a isto, inspira e nos alegra todo dia com seus hinos que sempre colocam a mulher lá no topo do mundo. Sem medo de se entregar em suas apresentações, Beyoncé também não deveria ter medo de demonstrar as suas falhas.

Um comentário

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s